terça-feira, janeiro 1

a natureza humana










o que mais me inquieta nas leis anti-tabágicas são as eventuais repercussões cinematográficas.




2 comentários:

David F. disse...

Nunca fumei. Nunca senti o menor de desejo de fumar. Mas o antitabagismo ainda vai me convencer a mudar de idéia e adotar um novo hábito.

Pois saiba: nos meus filmes, fuma-se.

bartleby disse...

Também já pensei o mesmo que o david f. Ando há uns anos a projectar a organização de uma manifestação de não-fumadores pró-tabaco; mas como sou um bartleby, ficarei à espera que alguém a organize.

Mas a avaliar pelo último filme de Kaurismaki, acho que para já a coisa está a salvo. Devem ser aí uns 80 cigarros fumados ao longo do filme!

Kantianos